Scout Report: Estreia de DeShone Kizer, derrota do Seahawks, Titans enferrujados e muito mais!

Primeiro domingo de futebol americano! Ainda não tive a oportunidade ver todos os jogos, então começo compartilhando os que vi na íntegra até agora. Ao longo da semana vou postando outras ‘Scout Report’ conforme for assistindo às outras partidas da rodada.

Pittsburgh Steelers 21 vs. 18 Cleveland Browns

 DeShone Kizer teve uma boa estreia. Ao contrário do que outros times fazem com seus rookies, Hue Jackson não quis saber de colocá-lo apenas em passes curtos após playaction, Kizer soltou o braço de verdade. Alguns passes ele acertou, outros errou por uma boa margem, mas o novato não teve medo de arriscar e mostrou personalidade. Claramente o que o ex-Notre Dame mais precisa trabalhar nesse momento é o relógio mental dentro do pocket. Não foi uma grande atuação da linha ofensiva dos Browns, mas ela não jogou tão mal para sete sacks, parte desses foram culpa do QB que tem uma tendência a segurar muito a bola.

 Em um domingo com muitos ataques ainda sem ritmo, nenhum teve mais ferrugem que o do Pittsburgh Steelers. Le’Veon Bell teve muitas dificuldades contra o bom front seven dos Browns, Martavis Bryant foi um fator inexistente, o próprio Big Ben errou passes que normalmente acerta. Coube a Antonio Brown colocar o ataque nas costas, mais uma vez, com 11 recepções para 182 jardas.

 A defesa do Pittsburgh Steelers teve uma ótima atuação. O grupo anulou o ataque terrestre dos Browns e o grande destaque da partida, talvez até maior que Antonio Brown, foi a estreia de T.J. Watt. O rookie deixou uma primeira impressão incrível, com dois sacks e uma bela interceptação.

 

 Do lado dos Browns a defesa também foi bem. Já dá para ver a cara do novo coordenador, Greg Williams, fazendo com que o grupo seja mais agressivo. Quando um jogador dos Steelers recebia a bola, rapidamente chegavam múltiplos defensores de Cleveland para fazer o tackle. É um esquema mais simplificado, que permite aos jogadores pensarem menos em campo. Mesmo sem Myles Garrett o front seven jogou muito bem.

 

Oakland Raiders 26 vs. 16 Tennessee Titans

 A gente passa muito tempo analisando os times durante a offseason, mas temos que lembrar que na semana 1 as equipes ainda não são o produto final. É importante ter isso em mente com essas duas equipes, principalmente os Titans, já que ambas ainda parecem ter muito espaço para crescimento.

 Derek Carr teve uma boa atuação, mas não das que o colocaram na conversa para o prêmio de MVP em 2016. Era natural, já que a última vez que ele pisou em campo sofreu uma fratura na perna. A conexão com seus recebedores, principalmente Amari Cooper, ainda pode e deve melhorar ao longo do ano.

 Amari Cooper até teve um bonito touchdown logo na primeira campanha, mas voltou a sofrer com drops, um problema grande da sua temporada de rookie. Foram três drops seguidos dentro da endzone. Havia a marcação da defesa e isso foi um fator importante, mas espera-se que um jogador do nível de Cooper consiga essas recepções.

 Quem só ver as stats após o jogo vai achar que Khalil Mack não teve uma boa atuação, mas não se engane, o defensor fez de tudo neste domingom só faltou o sack. A presença dele foi um dos principais fatores, junto com o rookie DT Eddie Vanderdoes, para parar o jogo terrestre dos Titans.

 

 Marshawn Lynch teve uma boa atuação, apesar dos seus números não terem sido espetaculares. O Oakland Raiders o usou muito bem, principalmente no final da partida quando precisava gastar o relógio, o que Lynch faz como poucos.

 O Tennessee Titans foi um dos vários times que mostrou um ataque enferrujado. Foram apenas 95 jardas terrestres, bem menos do que se espera para a equipe que foi uma das melhores pelo chão em 2016. Não fosse uma corrida de 21 jardas, Murray teria corrido 11 vezes para 23 jardas.

 A conexão de Marcus Mariota com Corey Davis oscilou ao longo do jogo. O rookie, que pouco treinou durante o Training Camp, teve uma grande recepção em sua estreia e até saiu com bons números. Já com Eric Decker claramente ele e o QB não estão se entendendo ainda, com apenas três recepções para 10 jardas em oito passes tentados. No final da partida, quando os Titans lutavam pela virada, Mariota voltou suas atenções para o velho e confiável Delanie Walker.

 

Seattle Seahawks 9 vs. 17 Green Bay Packers

 Pela primeira vez em 787 anos (não lembro o período exato) Aaron Rodgers não teve um TD ou INT no primeiro tempo. A defesa do Seattle Seahawks foi fantástica o jogo todo, não dá para pedir mais desse grupo do que limitar os Packers a 17 pontos jogando no Lambeau Field.

 Foram 39 minutos do ataque dos Packers em campo contra apenas 20 do Seahawks. Por melhor que a defesa de Seattle seja, é difícil parar um adversário, ainda mais Green Bay, com um desgaste tão grande. O ataque dos donos da casa teve uma segunda etapa bem melhor graças ao destaque dos defensores dos visitantes.

 Os números não mostram, mas Russell Wilson teve uma ótima atuação. O quarterback faz o possível atrás de uma das piores linhas ofensivas da NFL, que não mostrou qualquer evolução em relação ao ano passado. Duvido que exista algum QB na Liga que corra mais em uma partida que Wilson, que está sempre fugindo de dois ou três defensores. O jogo terrestre também sofre com isso e o ataque fica absolutamente inoperante.

 A defesa dos Packers teve uma boa atuação, mas é difícil fazer uma projeção para o resto da temporada por causa da situação da linha ofensiva do Seattle Seahawks. Mike Daniels foi um dos grandes destaques da rodada, com 1,5 sack, 2,5 tackles for loss e sendo absolutamente impossível de bloquear a tarde toda.

 

New York Giants 3 vs. 19 Dallas Cowboys

 Odell Beckham é responsável pelo jogo terrestre? Odell Beckham bloqueia o lado cego de Eli Manning? Odell Beckham é o quarterback? Não, então não dá para dizer que a atuação desastrosa do ataque do New York Giants foi por causa da ausência dele. Claro que com Beckham em campo sempre há a possibilidade dele receber um passe curto e transformar em um TD de 50 jardas, mas não dá para montar a estratégia ofensiva ao redor disso.

 Os Giants tem problemas seríssimos nesse lado da bola, do tipo que não sei se são consertáveis. A equipe tem a pior dupla de tackles da NFL, só o G Justin Pugh e o C Weston Richburgh são confiáveis na linha ofensiva. Eli foi o mesmo QB limitado de 2016. O camisa 10 até acertou alguns bons passes no começo do segundo tempo, mas sem proteção e jogo terrestre é impossível ter um bom ataque com o camisa 10. Ele não tem 100% da culpa, mas é um dos culpados pela atuação desastrosa.

 O Dallas Cowboys foi o mesmo time de 2016. Controlando o relógio no ataque e uma defesa que joga muito melhor que suas peças individuais. Sean Lee talvez tenha sido o melhor jogador da equipe neste domingo, aparecendo no campo todo e lembrando a todos que é um dos melhores linebackers da NFL.

 Não dá para ver Ezekiel Elliott jogando e achar que qualquer running back faria o mesmo atrás da linha ofensiva do Dallas Cowboys. O segundoanista teve uma ótima atuação com 104 jardas terrestres, lutando muito por cada uma delas.

 A defesa do New York Giants é incrível. Olivier Vernon teve a tarefa ingrata de ir contra Tyron Smith, o melhor Left Tackle da NFL, e mesmo assim jogou bem. Janoris Jenkins mais uma vez anulou Dez Bryant. O único jogador que foi mal nesse grupo foi Eli Apple, que cedeu muitas jardas a Terrance Williams.

 

Philadelphia Eagles 30 vs. 17 Washington Redskins

 Carson Wentz teve uma boa atuação e a tendência é só melhorar conforme for criando uma química melhor com Alshon Jeffery e Torrey Smith. O segundoanista vai muito bem improvisando, mas ele precisa limitar o número de jogadas desse tipo e operar mais dentro do esquema tático. No geral foi uma performance muito positiva.

 Nelson Agholor foi uma das grandes surpresas desse Training Camp e começou a corresponder ao potencial mostrado quando o Philadelphia Eagles o draftou. O WR teve seis recepções para 86 jardas e um TD atuando no slot e junto com Zach Ertz foi o principal alvo de Wentz.

 A secundária do Washington Redskins tem tudo para ser uma das melhores da NFL, principalmente na posição de cornerback. Josh Norman fez um excelente trabalho frustrando a estreia de Alshon Jeffery e Bashaud Breelan também foi bem no lado oposto.

 Kirk Cousins vai precisar de tempo para se adaptar com as ausências de DeSean Jackson e Pierre Garçon. O QB forçou bastante a bola na direção de Terrelle Pryor, mas claramente os dois ainda não estão se entendendo.

 Ronald Darby vinha tendo uma excelente partida até sofrer uma lesão no tornozelo. Segundo Ian Rapoport, da ‘NFL Network’, o jogador pode perder até seis semanas, o que é péssimo para os Eagles já que a posição de cornerback é claramente o ponto fraco da equipe.

 Na maioria das vezes quando um time não tem um bom jogo terrestre a culpa é da linha ofensiva, afinal encontrar um bom running back é muito mais fácil que montar um grupo de cinco bons bloqueadores. Eagles e Redskins são raras exceções que o problema está no RB. Tudo bem, Walter Peyton no auge teria dificuldade para correr contra o front seven dos Eagles, imagine o limitado Rob Kelley. Do lado da Philadelphia, LeGarrette Blount não parece um bom encaixe, já que o jogador estava acostumado correr com um fullback bloqueando em New England, enquanto o seu novo time sequer tem um atleta na posição. São duas boas OLs, mas o ataque pelo chão tem problemas.
.
.
Domingo de futebol americano, que saudade estávamos! Nesta edição do Podcast FA Hoje nossa equipe analisou TODOS os jogos da 1ª rodada da Temporada Regular da NFL, escute agora!

iTunes (iPhone, iPad, iPod)

Stitcher (Android e outros sistemas operacionais)

Novidade: Deezer

Soundcloud

4shared

Comments

comments