Rodada em Foco – Semana 3

Bem vindos à Rodada em Foco, a mais nova coluna do FA Hoje!

Nela você vai poder conferir o que de mais importante rolou em todas as partidas do domingo e também as observações da nossa equipe!

Além de ler a Rodada em Foco, escute o Podcast FA Hoje para ficar por dentro de tudo que rolou em todas as partidas!

 

Baltimore Ravens 7 x 44 Jacksonville Jaguars

 Não demorou muito para notar que os dois principais desfalques seriam muito sentidos pelo Baltimore Ravens. Sem Marshal Yanda a proteção a Joe Flacco sofreu muito e o jogo terrestre também. No outro lado os Jaguars aproveitaram a ausência de Brandon Williams e conseguiram correr muito bem com a bola, o que permitiu um ataque muito equilibrado.

 O ataque do Baltimore Ravens foi abismal. O primeiro passe completo veio apenas com 4:11 faltando para o fim do segundo quarto e a equipe foi para o intervalo com 15 (!!!) jardas.

 Blake Bortles teve a melhor atuação dos últimos dois anos. Tudo bem, o jogo fugiu do controle dos Ravens muito rápido, mas não dá para tirar o mérito dos quatro passes para TD. Ele não foi tão bem quanto os números sugerem, mas foi um bom jogo do QB.

 Ryan Mallett substituiu Joe Flacco no começo do último quarto, com a partida já decidida. O mesmo aconteceu do outro lado, com Chad Henne entrando no lugar de Blake Bortles. Apenas dois times poupando seus QBs em um jogo já definido.

Gabriel Martins 

 

New Orleans Saints 34 x 13 Carolina Panthers

 O Carolina Panthers abriu o jogo com um drive longo, controlando com um bom jogo terrestre, mas que acabou com um Field Goal. Parecia que os Saints não conseguiriam parar os Panthers, mas foi uma miragem.

 Ainda não foi perfeito, mas Sean Payton parece ter encontrado um equilíbrio melhor no backfield do New Orleans Saints. Mark Ingram não teve números absurdos, mas liderou o backfield com 56 jardas em 14 carregadas e foi o melhor running back da equipe.

 A secundária do Carolina Panthers joga a maior parte dos jogos em cobertura de zona e Drew Brees é mestre em explorar os pontos fracos desse time de marcação. O TD do WR Michael Thomas foi um bom exemplo, com o CB Bradberry marcando até determinado ponto e deixando para o S Coleman e foi nessa transição que Brees mandou a bola.

 Cam Newton teve uma das piores atuações da carreira. Não foram “apenas” as três interceptações, o quarterback errou muitos passes em que a jogada pedia um passe preciso e rápido. Uma das INT foi justamente um exemplo disso, Cam mandou a bola atrás de Devin Funchess no momento que o WR fazia a quebra na rota e o CB dos Saints conseguiu interceptar.

Gabriel Martins 

 

Tampa Bay Buccaneers 17 x 34 Minnesota Vikings

 O Tampa Bay Buccaneers nunca teve chance nesse jogo. A equipe foi para o intervalo perdendo por 21 a 3 e o domínio dos Vikings parecia ainda maior que o placar sugeria.

 Pat Shurmur comandou uma obra de arte. Mesmo sem Sam Bradford, o coordenado ofensivo montou o plano de ataque pefeito e colocou Case Keenum em ótimas situações com chamadas excelente durante o jogo todo. Keenum não é tão ruim quanto jogou na semana passada nem tão bom quanto seus números neste domingo. Ele é um bom QB reserva e soube muito bem usar o talento ao seu redor.

 Stefon Diggs, o que dizer dele? Oito recepções, 173 jardas e 2 TDs, simplesmente colocou o ataque do Minnesota Vikings nas costas e levou o time à vitória. Diggs começou essa temporada jogando em nível de All Pro.

 Jameis Winston foi colocado em uma situação ruim, tendo que jogar a partida inteira de trás do placar, mas espera-se mais da primeira escolha geral do Draft de 2015. Foram três interceptações e em nenhum momento ele pareceu confortável. Os números foram melhores, mas em geral a conexão com DeSean Jackson ainda parece longe de perfeita.

Gabriel Martins

 

Chicago Bears 23 x 17 Pittsburgh Steelers (Prorrogação)

 O Pittsburgh Steelers tem um grande problema na Era Mike Tomlin, é um time que inexplicavelmente joga muito mal contra times inferiores fora de casa e nesse domingo tivemos mais um exemplo disso. O ataque da equipe pela terceira rodada consecutiva jogou muito mal e não fosse Antonio Brown os Bears teriam vencido com mais facilidade.

 Cada lance muda a partida, não dá para simplesmente mudar algo que aconteceu no primeiro tempo achando que o resto seria diferente. Ainda assim, os visitantes poderiam ter vencido com mais tranquilidade não fosse um lance maluco no final do segundo quarto. Field goal para os Steelers nos últimos segundos do primeiro tempo. Os Bears bloqueiam, Marcus Cooper Sr. recupera e atravessa o campo para o que parecia um TD fácil, mas ele diminuiu a passada no final inexplicavelmente, o suficiente para que um jogador de Pittsburgh conseguisse alcançá-lo e forçar o fumble. O holder dos Steelers jogou a bola para fora da endzone, o que é falta. A arbitragem confirmou a penalidade, mas ao invés de dar o safety ou uma jogada para os Bears na linha de 1 jarda, ele terminaram o primeiro tempo! Depois de muita conversa voltaram atrás, deram a bola para Chicago na linha de uma jarda com o cronômetro zerado e, depois de recuarem com uma falta de False Start, acabaram chutando um Field Goal. Que confusão.

 A defesa do Chicago Bears merece crédito. Por mais que o ataque do Pittsburgh Steelers ainda busque o melhor entrosamento, limitar um grupo com Big Ben, Antonio Brown, Le’Veon Bell e Martavis Bryant a menos de 300 jardas é um grande feito.

 O Chicago Bears tem um backfield incrível com Jordan Howard e Tarik Cohen, mas o ataque aéreo é completamente inexistente. Por melhor que esses dois tenham sido, a ausência de um jogo de passe nunca vai deixar que os Bears consigam uma liderança confortável e foi exatamente isso que vimos. Chicago dominou boa parte da partida, mas a dificuldade de marcar pontos nunca os deixou matar o confronto e os Steelers conseguiram levar o jogo pra prorrogação.

 Na prorrogação Tarik Cohen parecia que tinha fechado a partida com um TD longo, mas a arbitragem marcou que ele havia pisado fora, uma chamada questionável. Logo depois Jordan Howard não deixou dúvida e entrou na endzone, garantindo a vitória dos Bears.

Gabriel Martins

 

New York Giants 24 x 27 Philadelphia Eagles

 Jogadores de Eagles e Giants protestaram durante o hino americano. Do lado de Philadelphia. apenas o LB Michael Kendricks não aderiu aos protestos.

 Ataque terrestre de Philadelphia, que foi inefetivo contra os Chiefs na semana dois, voltou com mais força. LeGarrette Blount, que sequer entrou em campo na rodada passada, marcou um touchdown terrestre e teve média de cinco jardas por carregada. O atleta alterou toda a dinâmica ofensiva e atrapalhou a cobertura da defesa de Nova York. Porém, o ataque aéreo de Carson Wentz foi bastante discreto, e não soube aproveitar os espaços.

 Linha ofensiva dos Giants, que estava muito descredibilizada e desacreditada antes do jogo, aguentou a pressão da forte linha defensiva adversária. A equipe não cedeu nenhum sack na partida. Apesar disso, Eli Manning foi apressado por vezes no pocket, o que fez o QB lançar duas interceptações.

 Odell Beckham Jr., que não conseguia impactar o jogo ofensivo dos Giants, apareceu no fim do terceiro período para embolar o jogo. O atleta recebeu dois touchdowns seguidos para empatar a partida em 14-14 nesse ponto, o que acabou aumentando a confiança de Manning e impulsionando a virada posterior.

 Eli Manning se aproveitou do apagão defensivo adversário, levando os Giants a anotar 24 pontos no último período. Ele se aproveitou da secundária de Philadelphia que entrou em campo apenas com três jogadores ativos. Trae Elston é um deles e foi contratado na última quarta feira, após Corey Graham e Rodney McLeod estarem machucados.

 O kicker calouro Jake Elliott substituia o machucado Caleb Sturgis, e já sofria pressão por errar um FG curto na semana dois. Nesta partida, errou um de 53 jardas, mas foi o herói improvável dos Eagles. Nas últimos dois drives da equipe no jogo, anotou field goals que empataram e viraram a partida. Detalhe: o da virada, de 61 jardas e no último segundo do jogo.

Marco Tulio Bayma

 

Detroit Lions 26 x 30 Atlanta Falcons

 Independente do resultado, o Detroit Lions demonstrou mais uma vez uma capacidade de reação absurda e mereciam a vitória. Parece que Matt Stafford só joga bem atrás do placar (quer dizer, ele só joga atrás do placar!!). É um time que dá trabalho para quem for enfrentar, Stafford cresce ao longo da partida.

 A defesa dos Lions foi muito bem, esteve sempre atenta e por isso conseguiu interceptar Matt Ryan três vezes. Por duas vezes recepções não completadas acabaram nas mãos de Darius Slay, o que foi fundamental para manter o time vivo no segundo tempo.

 Matt Prater é um dos melhores kicker da liga e estabeleceu o recorde field goals de mais de 50 jardas acertados em sequência. Ele dá mais segurança para Stafford arriscar na linha de 40 jardas.

 O final do jogo foi bastante diferente do que nos acostumamos. Golden Tate marcou um touchdown para os Lions e o time estava virando a partida. No entanto, a chamada foi revertida. Pelas regras da NFL, deve-se tirar dez segundos do relógio em situações como essa, para evitar que o time tire vantagem do relógio parado. Amanhã explicaremos melhor o ocorrido.

José Paulo Mendes

 

Houston Texans 33 x 36 New England Patriots

 Deshawn Watson mostrou evolução em relação aos outros jogos, com uma tranquilidade dentro e fora do pocket surpreendente. No entanto, ainda demonstra alguns erros simples quando a presão chega, lançando uma interceptação fácil e demorando para se livrar da bola algumas vezes. Por outro lado, essa demora também serve para estender jogadas, o que deu resultados positivos. Ele precisa aprender a medir melhor o que fazer a partir da situação, mas está fazendo bem

 Rob Gronkowski foi muito bem recebendo a bola e mostrou estar 100%. Mas mais importante é apontar que ele tem sido uma importante, senão fundamental nos bloqueios. J.J.Watt demorava a chegar em Tom Brady por primeiros contatos duros com o tight end.

 Mas a defesa dos Texans conta com um trio infernal em Watt, Jadeveon Clowney e Whitney Mercilus. A linha ofensiva dos Patriots foi diversas vezes engulida, mas quando deu tempo a Tom Brady, ele conseguiu garantir touchdowns para os Patriots. Os Texans forçaram três fumbles recuperados pelos Patriots e um para touchdown.

 Tom Brady conseguiu cinco touchdowns e errou pouquíssimos passes, mas sofreu três fumbles em cinco sacks. Por mais fortes que fossem, ele soltou a bola demais nessas situações. Isso não deve se repetir pois Bill Belichick chamará a atenção, mas outra equipes tentarão explorar esse fator.

José Paulo Mendes

Cleveland Browns 28 x 31 Indianapolis Colts

 Jacoby Brissett jogou muito bem, conseguindo correr para os dois primeiros touchdowns dos Colts, no segundo mostrou capacidade de improviso boa para um quarterback. Lançando com a bola também evoluiu, indo bem sob pressão e em situações de terceira descida.

 DeShone Kizer mostrou mais uma vez ser um quarterback crú, mas com muito potencial. Conduziu boas campanhas com pouco tempo, mas sofreu interceptações na redzone. Seus turnovers geralmente vem de tentar algo mais, o que é bom se Hue Jackson conseguir ajudá-lo a melhorar.

 T.Y. Hilton garantiu que os Colts venceriam e fez sua parte. Sem receber passes longos pelas limitações de Brisett, foi bem produzindo após a recepção. Mas a defesa dos Browns precisa ficar mais atenta com esse tipo de situação.

José Paulo Mendes

 

Denver Broncos 16 x 26 Buffalo Bills

 O ataque de Denver estava com uma temporada surpreendente, com Travor Siemian muito confiante e protagonista das duas vitórias na temporada. Por outro lado, Tyrod Taylor muito pressionado por duas partidas ruins, com média de rating próxima a 60 e apenas um touchdown lançado.

 O jogo terrestre de Buffalo mais uma vez foi inoperante. LeSean McCoy teve grandes dificuldades para passar pelo forte pass-rush dos Broncos. Da mesma forma, foi importante para manter a defesa adversária preparada para a ameaça corrida. A OL dos Bills também sofreu com quatro sacks cedidos e oito tackles-for-loss.

 Jamaal Charles foi o corredor mais prolífico de Denver. Mesmo com CJ Anderson tendo uma semana passada ótima, o veterano vindo de Kansas parece estar ganhando espaço. Correu uma vez a mais que Anderson, e teve uma ótima média de 6,2 jardas por carregada, além de um TD corrido.

 O terceiro quarto veio junto com a virada dos Bills, após um touchdown de Charles Clay. Mesmo apertado, o último período foi de controle de cronômetro pelos donos da casa e dois field goals para aumentar a vantagem. A defesa de Buffalo também manteve a tranquilidade para forçar Siemian a lançar bolas e praticamente abdicar do jogo terrestre que funcionava até esse ponto.

Marco Tulio Bayma 

 

Miami Dolphins 6 x 20 New York Jets

 A expectativa para o jogo era de mais um massacre sobre o frágil New York Jets, levando em conta o volume de jogo mostrado pelos Dolphins na semana dois. Porém, foi exatamente o oposto disso que aconteceu, com o ataque de Miami completamente inefetivo e o aéreo de Nova York com facilidade.

 Os Jets não pareciam a equipe candidata a terminar a temporada com um recorde de 0-16. Big plays no ataque e uma defesa coesa foi vista dentro do campo do MetLife Stadium. Josh McCown teve seu melhor jogo nos últimos tempos, com um rating 126.3

 O jogo terrestre de Miami foi nulo na partida. Se Jay Ajayi passou das cem jardas corridas na semana passada, agora foi limitado a 1,5 jardas por tentativa, terminando com 11 corridas e 16 jardas conseguidas.

 Jay Cutler, que estreou muito bem com a camisa dos Dolphins na semana dois, foi terrível nesta partida. Ele lançou apenas 38 jardas no primeiro tempo, tentou a recuperação na segunda metade, mas foi interceptado e acabou com pouco mais de 200 jardas lançadas e um TD no último minuto.O punter da equipe, Matt Haack, tentou uma trick-play, mas também foi interceptado.

Marco Tulio Bayma

 

Cincinnati Bengals 24 x 27 Green Bay Packers (Prorrogação)

 Os Packers sentiram os desfalques no primeiro tempo. A equipe de Green Bay não pode contar com o LT David Bakthiari e nem com o DT Mike Daniels. Sem o left tackle, Aaron Rodgers sofreu cinco sacks na primeira etapa e com toda essa pressão acabou realizando passes ruins como na interceptação retornada pra TD. Já a ausência de Daniels foi importante pois os Packers não conseguiram tirar proveito da fraca linha ofensiva dos Bengals, e além do jogo terrestre funcionar, Andy Dalton teve tempo para explorar a secundária de Green Bay acionando várias vezes o wide receiver A.J. Green

 A versatilidade de Joe Mixon é muito importante para jogar com uma linha ofensiva ruim. Quando Jeremy Hill ou Giovanni Bernard está em campo, a defesa sabe que tipo de jogada vai vir e as defesas dominam a linha ofensiva dos Bengals. Já quando Mixon está no campo, a defesa não consegue fazer a leitura com tanta facilidade e o talentoso running back consegue ajudar Dalton a mover as correntes.

 Ty Montgomery e Martellus Bennett não estão jogando bem. As 12 jardas em 3 recepções mostram que Bennett não parece ter se adaptado ao ataque dos Packers, e com exceção dos bloqueios, pouco ajudou Aaron Rodgers. Já Montgomery teve 50 jardas de scrimmage em 20 toques na bola, mostrando que tem potencial no máximo para ser um running back de terceira descida.

 Os Bengals tinham uma defesa, mas os Packers tinham Aaron Rodgers. A defesa de Cincinnati conseguiu 7 sacks e uma pick six, mas Aaron Rodgers colocou a bola debaixo do braço na última campanha e levou o jogo para a prorrogação. No overtime, o quarterback contou com o 3 and out do ataque dos Bengals e com um passe para 72 jardas para Geronimo Alisson, conquistou a primeira vitória na prorrogação em sua carreira.

Rodrigo Moizéis

 

Kansas City Chiefs 24 x 10 Los Angeles Chargers

  Kareem Hunt é forte candidato ao calouro ofensivo do ano. Tudo bem que foram apenas 3 jogos, mas o running back dos Chiefs fez mais uma grande partida com 172 jardas terrestres e tem ajudado muito Alex Smith com suas limitações. Se Spencer Ware estivesse jogando, os Chiefs não estariam 3-0.

 Dessa vez a culpa foi de Philip Rivers. O Los Angeles Chargers é certamente um time com mais talento que uma campanha 0-3 indica, mas as 3 interceptações do quarterback da franquia comprometeram o jogo. Se nos últimos anos o QB tem o direito de reclamar das lesões e da falta de sorte da equipe, neste domingo Philip pode botar a derrota na sua conta, pois os 3 turnovers foram culpa dele e colocaram os Chiefs em boas posições de campo ou evitaram que os Chargers pontuassem em suas campanhas que tinham condições para isso.

 Melvin Ingram mostrou que é um dos melhores defensores da NFL. Com 6 tackles e 3 sacks, Ingram não só fez uma grande partida pressionando Alex Smith como também foi importante parando o jogo terrestre. Joey Bosa passou discreto nessa partida, mas os Chargers tem sorte ter dois jogadores desse nível em sua defesa.

 Os Chiefs sabem vencer jogos e isso pode ser decisivo lá na frente. A equipe de Kansas City não mostrou o futebol americano mais bonito da temporada agora, mas já venceu Chargers, Patriots e Eagles, 3 times com muito talento e essas vitórias mostram a força dos comandados de Andy Reid. Vale a pena ficar de olho nesse Kansas City Chiefs que pode chegar muito forte no fim do ano.

Rodrigo Moizéis

 

Seattle Seahawks 27 x 33 Tennessee Titans

 Os Titans fizeram dois TDs de mais de 50 jardas e a culpa é da OL dos Seahawks. A equipe de Seattle sofre muito 3 and outs e a defesa acaba ficando muito tempo em campo. Tanto na recepção de Rishard Matthews quanto na corrida de DeMarco Murray, a defesa estava exausta e não foi capaz de evitar as big plays.

 Russell Wilson teve mais um partida incrível. Foram 373 jardas, melhor marca da carreira, e 4 touchdowns, porém tem algo que os números não mostram. A capacidade do quarterback de manter o ataque em campo. Wilson tem um mobilidade incrível e uma capacidade de efetuar o passe mesmo sofrendo contato do defensor. Se não fosse por isso os Seahawks ainda não tinham marcado pontos na temporada.

 Chris Carson mostra uma incrível capacidade de quebrar tackles e isso pode ser importante para o jogo terrestre considerando a linha ofensiva ruim. C.J. Prosise mostrou muito talento recebendo passes e se os Seahawks souber utilizar bem esses dois jogadores, Eddie Lacy, que nem foi relacionado, e Thomas Rawls que está machado, não farão falta ao time de Seattle.

 Os Titans venceram de novo e isso é o mais importante. Não foi uma atuação primorosa de Marcus Mariota ou da defesa, mas os Titans estão 2-1 e só terão um jogo considerado fácil na semana 7 contra o Cleveland Browns, portanto no momento as vitórias são muito importantes e vencer um adversário como o Seattle Seahawks pode fazer muita diferença lá na frente.

Rodrigo Moizéis

 

Oakland Raiders 10 x 27 Washington Redskins

 Clique aqui para saber como foi o Sunday Night Football da Semana Três.

 

Podcast FA Hoje como sempre saindo na frente com um programa com a análise de TODAS as partidas da Semana 3, destacando a grande vitória dos Eagles no clássico contra os Giants, o atropelo dos Jaguars para cima dos Ravens e tudo que rolou de mais importante nesse domingo, escute agora!

iTunes (iPhone, iPad, iPod)

Stitcher (Android e outros sistemas operacionais)

Novidade: Deezer

Soundcloud

4shared

Comments

comments