Rodada em Foco – Semana 13

Bem vindos à Rodada em Foco, a mais nova coluna do FA Hoje!

Nela você vai poder conferir o que de mais importante rolou em todas as partidas do domingo e também as observações da nossa equipe!

Além de ler a Rodada em Foco, escute o Podcast FA Hoje para ficar por dentro de tudo que rolou em todas as partidas!

 

Minnesota Vikings 14 vs. 9 Atlanta Falcons

 Surpreendentemente a defesa do Atlanta Falcons teve um ótimo primeiro tempo mesmo sem seus dois principais CBs, Desmond Trufant e Brian Poole. Adam Thielen e Stefon Diggs foram para o intervalo somando 22 jardas em duas recepções. A chave disso não está na secundária e sim no front seven. O Pass Rush dos Falcons foi muito bem na primeira etapa, pressionando Case Keenum quase toda vez que o QB ia para o passe.

 O Atlanta Falcons foi claramente superior na maior parte do primeiro tempo, mas a defesa do Minnesota Vikings foi muito bem em situação de redzone, obrigando os donos da casa a chutarem dois field goals. Alguns drops, como de Jones e Sanu, atrapalharam bastante o ataque dos Falcons.

 Os grandes times conseguem fazer ajustes e o Minnesota Vikings fez exatamente isso. Case Keenum comandou um ataque extremamente equilibrado no segundo tempo, gastando muito bem o relógio. A grande diferença, no entanto, foi a defesa, que parou de ceder jardas e passou a dominar no campo inteiro, não só na redzone. Xavier Rhodes anulou Julio Jones e o ataque dos Falcons marcou apenas três pontos na segunda etapa.

 A partida poderia ter sido diferente se Atlanta tivesse aproveitado melhor as chances no primeiro tempo. Os Falcons ainda estão bem posicionados para conseguir ir aos playoffs, mas essa derrota mostra que mesmo tendo melhorado bastante, a equipe não chegou no patamar dos pesos pesados da NFC.

 Por melhor que o CB Xavier Rhodes seja, Julio Jones não pode terminar uma partida com 2 recepções para 23 jardas.

Gabriel Martins

 

Kansas City Chiefs 31 vs. 38 New York Jets

 A mudança no playcalling parece ter surtido efeito. Andy Reid passou a função para o seu coordenador ofensivo, Matt Naggy, e foram dois TDs logo no primeiro quarto, ambos para Travis Kelce. Foram XXXX pontos mesmo ficando pouquíssimo tempo em campo (falarei mais sobre isso no próximo tópico).

 O grande problema dos Chiefs neste domingo não foi o ataque, foi a defesa. Os Jets tiveram um drive de 10 minutos para começar o terceiro quarto e os defensores não conseguiam sair em campo, cedendo muitas conversões de terceiras descidas longas. Faltando 11 minutos para o fim do último quarto o ataque de KC só havia estado em campo por 1:54 (!!!).

 Marcus Peters jogando a flanela do árbitro na arquibancada após uma falta que deu a oportunidade aos Jets de conseguir a conversão de dois pontos é a highlight do ano até agora.

 Darrelle Revis teve uma atuação TERRÍVEL em sua estreia com a camisa dos Chiefs. O CB errou muitos tackles, parecia ainda mais lento em relação ao ano passado e acabou indo para o banco no intervalo. Pode ter sido apenas um jogo ruim? Claro, afinal ele ainda está recuperando o ritmo, mas definitivamente não foi um bom começo.

Gabriel Martins

 

Houston Texans 13 vs. 24 Tennessee Titans

 Tennesse Titans cometeu MUITOS erros no primeiro tempo. Field Goal errado, falha em conversão de terceira descida, fumble em retorno de Punt. Por isso a equipe foi para o intervalo empatando com os Texans por 10 a 10, quando claramente foi superior.

 O segundo tempo foi mais equilibrado, graças ao Tennessee Titans que teve 30 minutos de péssimo futebol americano. O ataque aéreo da equipe é um dos mais fracos em toda a AFC e Marcus Mariota terminou a tarde com apenas 165 jardas.

 A defesa dos Titans permitiu que os Texans, com Tom Savage, convertessem uma quarta descida para 19 jardas. Se você acredita em vitórias ou derrotas morais, Tennessee não sai desse jogo se sentindo como os vencedores.

Gabriel Martins

Indianapolis Colts 10 vs. 30 Jacksonville Jaguars

 Os Jaguars conseguiram abrir o placar depois de um belo fake punt. Era uma 4ª pra 7 e a jogada especial deu 22 jardas aos mandantes.

Existem dois pontos que os torcedores dos Colts não entendem:
-Por que Marlon Mack não é colocado para correr mais? O running back quando entra em campo sempre consegue big plays.
-Por que Quincy Wilson (CB de escolha de segunda rodada que já fez bons jogos) não entra como titular? Precisou Pierre Desir sair para o calouro entrar.

Jalen Ramsey está fazendo uma belíssima temporada. O CB mais uma vez fez ótima partida e conseguiu interceptação.

O que tem de bom pros Colts? Saber que o seu RB titular, Frank Gore, agora é o quinto na história da liga com mais jardas terrestres, com 13694.

E a história se repete. Blake Bortles teve mais uma bela atuação contra os Colts, 2 touchdowns, 309 jardas e rating de 119,8. Nos últimos seis jogos, Blake Bortles lançou 10 passes de TD contra os Colts e nenhuma interceptação.

Brissett tem sido bom pra Indianapolis, mas as interceptações (2 hoje) e o baixo aproveitamento na redzone são fatores que atrapalham muito os Colts neste ano. Luck faz muita falta.

A linha ofensiva dos Colts ‘só’ cedeu quatro sacks. No primeiro jogo contra os Jax, foram 10.

Com a vitória dos Ravens, os Colts estão matematicamente sem chance de chegar aos playoffs.

Victor Rodrigues

New England Patriots 23 vs. 3 Buffalo Bills

 Rob Gronkowski acabou com a defesa em zone blitz dos Bills. Quando ficava para bloquear, Tom Brady tinha ao menos mais dois segundos para lançar a bola e quando saia para receber, em poucos segundos estava livre e recebia passes curtos e médios. Ao todo foram nove recepções para 147 jardas.

Por falar nele, o cornerback calouro e baixinho Tre’Davious White ficou com a missão de marcá-lo em mais de uma jogada. O duelo foi interessante, com Gronk tendo uma incrível recepção praticamente arrancando a bola das mãos de defensor e uma interceptação bastante difícil conseguida por White. Neste mesmo lance, Gronk acertou White após o final da jogada, isso pode render uma suspensão ao tight end, uma merecida. Um atleta de sua experiência não pode cometer esse tipo de erro.

Rex Burkhead foi dominante outra vez. Perigoso na redzone, o running back tem se tornado uma das armas preferidas de Bill Belichick. Em meio a corridas inteligentes e recepções ele está a largos passos de se tornar um dos principais nomes do ataque para o próximo ano.

José Paulo Mendes

Denver Broncos 9 vs. 35 Miami Dolphins

Trevor Siemian começou o ano bem, mas a cada partida fica mais claro que ele não pode ser o titular de uma franquia com grandes ambições. Precisando assumir a responsabilidade contra o limitado time dos Dolphins, o quarterback lançou três interceptações e não foi efetivo em nada que tentou.

O ataque como um todo foi mal. Matt Paradis errou o snap próximo da própria endzone. O resultado foi um safety e a abertura do placar pró-Dolphins. Depois disso, o retornador Isaiah McKenzie, já no quarto período, sofreu um fumble enquanto procurava por espaço para correr. Recuperou a bola na endzone para outro safety. Uma equipe séria não pode deixar um safety por bobagem acontecer, muito menos duas vezes.

A defesa dos Dolphins na verdade é a grande responsável pela vitória, não fossem os dois lances já citados, o setor permitiu que o ataque começasse em boas posições de campo, forçou turnovers e ainda retornou um fumble para touchdown. Tudo que o ataque produziu foi em função da defesa colocá-los novamente em campo rápido.

José Paulo Mendes

Tampa Bay Buccaneers 20 vs. 26 Green Bay Packers

Os Packers parecem ter encontrado um bom running back em Jamaal Williams e um reserva razoável em Aaron Jones. Se a dupla conseguir jogar no nível atual, poderá ser um complemento sensacional para Aaron Rodgers no futuro. Os dois já bloqueiam bem melhor que Ty Montgomery e ainda correm de maneira complementar.

Jameis Winston se esforçou e voltou a atuar bem, mas as coisas são mais difíceis quando os seus principais alvos vão mal. Mike Evans precisa tomar um banho de sal grosso na offseason, foram só duas recepções, poucas vezes sendo alvo e frequentemente bem marcado. O ataque dos Bucs parecia só se mover em função do running back Peyton Barber.

Quem já viu o auge de Clay Matthews sabe que o linebacker já foi um dos melhores pass rushers da liga. Neste domingo ele parecia de volta aos melhores dias, nada parecia segurá-lo. Voltando após ficar fora da partida da semana passada, o veterano parecia mais livre. É preciso pensar melhor em como usá-lo, pois o talento ainda está lá, mas o corpo não é o mesmo. Os Packers devem usá-lo mais em situações claras de passe, Matthews não é mais o mesmo contra o jogo corrido.

José Paulo Mendes

Detroit Lions 20 vs. 44 Baltimore Ravens

Na melhor atuação ofensiva da temporada, o Baltimore Ravens conseguiu importante vitória sobre o Detroit Lions, que contou ainda com uma grande tarde defensiva comandada pelo veterano Eric Weddle.

Joe Flacco teve sua melhor atuação na temporada. Seguro no pocket, arriscando e tendo sucessos em passes mais longos, o QB vai confirmando sua boa fama no mês de dezembro. Flacco pode crescer bastante ainda de rendimento, mas no primeiro fim de semana o QB fez sua parte e colocando de vez os Ravens na briga pelo wild-card da AFC.

O RB Alex Collins está se tornando uma peça extremamente importante nesse ataque. Com 2 TDs e 75 jardas terrestres, o jogador vai ser muito utilizado na reta final da temporada regular e seu desempenho vem correspondendo.

A defesa dos Ravens é elite. Strip-sack, interceptações, pick-six, sacks. O setor fez o terror para cima de Matthew Stafford. O veterano safety Eric Weddle teve uma atuação de gala, conseguindo strip-sack e mais uma pick-six. Teve ainda a primeira interceptação do calouro CB Marlon Humphrey. A defesa dos Ravens definitivamente é quem será a encarregada de levar o time mais longe em 2017.

Matthew Stafford precisa de ajuda. O QB mais uma vez saiu lesionado e faz o impossível para manter os Lions com alguma chance. Sem jogo terrestre e quase que o tempo todo no shotgun, é preciso que seus companheiros tirem um pouco da pressão sobre o QB. Uma pena pois Stafford faz uma grande temporada, mas muito possivelmente não conseguirá levar os Lions aos playoffs.

Frederico Maritan

Chicago Bears 14 vs. 15 San Francisco 49ers

 Jimmy Garoppolo fez um ótimo jogo. Foi seguro no pocket, com muita calma antes de soltar a bola mesmo pressionado. Ele deu toda uma dinâmica no ataque da equipe, que ficou quase 2/3 do tempo em campo. As quase 300 jardas lançadas em um setor ofensivo carente de talento mostra o impacto do atleta.

A defesa de Chicago evitou o ímpeto de Jimmy G na redzone. Apesar de sofrer com as terceiras descidas cedidas, evitou touchdowns aéreos e forçou muita pressão no QB.

Mitch Trubisky mostrou o que fez toda a temporada. Ainda muito cru e instável, apostou em passes curtos e seguros. Não teve a ajuda do jogo terrestre, que penou na batalha contra a defesa dos 49ers. Dessa forma, toda  apressão do ataque ficou sob seus ombros. O touchdown lançado para Dontrelle Inman mostrou o potencial que o quarterback tem, em um passe difícil na end zone.

A defesa dos 49ers mostrou talento em algumas oportunidades. Mas por ser muito jovem,  mostrava inconsistência em algumas oportunidades. Quando precisou fez o trabalho necessário para evitar o desenvolvimento de Trubisky, e principalmente da dupla Howard/Cohen.

Com o touchdown de retorno de punt de Tarik Cohen, o calouro é o primeiro desde 1965 a marcar TDs lançando a bola, correndo, recebendo e retornando punt. O último foi Gale Sayers.

A lei do ex ataca novamente. Robbie Gould, ex jogador dos Bears, marcou todos os pontos dos 49ers, inclusive o field goal derradeiro, faltando poucos segundos para o fim da partida.

Marco Tulio Bayma

Cleveland Browns 10 vs. 19 Los Angeles Chargers

A derrota dos Chiefs possibilitou que os Chargers entrassem em campo para chegar ao mesmo recorde da equipe de Kansas City. Mas o começo do jogo não foi animador com o FG desperdiçado por Travis Koons, que não chegou a fazer falta.

DeShone Kizer não fez uma partida péssima. Anotando um TD e uma interceptação, lançando para 215 jardas. O QB agora tem um alvo mais confiável de nome Josh Gordon.

Falando em Gordon, o WR teve uma boa ‘estreia’, com quatro recepções e 85 jardas. Essa bela recepção marcou o seu retorno.

A linha ofensiva de Cleveland conseguiu fazer um bom trabalho e diante da DL enfrentada e pelo histórico da OL, digamos que três sacks foi razoável (mesmo tendo sido um deles um strip sack causado por Joey Bosa).

Vai ficar repetitivo, mas Rivers fez o essencial para garantir a vitória dos Chargers, que estão empatados com os Chiefs na liderança da AFC oeste(ambos com 6-6). O Qb lançou para 344 jardas e um touchdown.

Victor Rodrigues

Arizona Cardinals 16 vs. 32 Los Angeles Rams

O primeiro drive ofensivo dos Cardinals foi péssimo. Gabert tentou lançar uma deep ball e acabou sendo interceptado.

Boa fase de Jared Goff, que apesar de ter lançado uma interceptação, foi bem e ajudou a garantir a vitória dos Rams, lançando para dois TD’s e 212 jardas.

Adrian Peterson, que foi listado fora do jogo pouco antes do início da partida, fez falta. Mas o jogo corrido não foi mal, Kerwyinn Williams correu para 97 jardas e o ataque terrestre total dos Cardinals produziu 118.

Como se não bastasse o primeiro drive ofensivo dos Cards ter sido interceptação, Gabert lançou outra. Só que a diferença é que esta foi uma pick six.

Mesmo tendo dois complicados turnovers, os Cardinals não deixaram os Rams se desgarrarem do placar. O jogo foi disputado até a metade do último quarto, período o qual os Rams conseguiram se distanciar mais.

A defesa dos Rams foi essencial para o triunfo com duas interceptações, sendo uma delas uma pick six.

A equipe de L.A é líder absoluta da NFC oeste e agora põe a pressão no Seahawks para não deixar os Rams dispararem na liderança.

Victor Rodrigues

New York Giants 17 vs. 24 Oakland Raiders

O longo touchdown corrido de Marshawn Lynch no primeiro drive dos Raiders deu uma vantagem que deixou a equipe relaxada durante o primeiro tempo. Também, isso fez com que Derek Carr utilizasse mais o setor durante a partida.

 Geno Smith teve dois bons drives com os Giants. Porém, não adiciona nenhuma qualidade diferente ao que Eli Manning mostrou este ano. A escolha de McAdoo só serviu para agregar ainda mais críticas ao seu trabalho.

 A defesa dos Giants mostrou uma intensidade e motivação incomuns para a atual situação da franquia. Por duas vezes ficaram muito próximos da interceptação e não deixaram cair o rendimento até os momentos finais da partida.

Esse era o jogo para Derek Carr, um dos melhores QBs da NFL, colocar no bolso. Mesmo com desfalques importantes, como Amari Cooper e Michael Crabtree, ele é o comandante do ataque e precisa mostrar que tem o controle dos adversários mais fracos. Teve um primeiro quarto pífio, com apenas um passe completo para sete jardas. Melhorou seu desempenho no segundo tempo, mas precisa se esforçar mais.

O fraco jogo terrestre dos Giants machucou a defesa dos Raiders em certos momentos. Poucas jardas foram conseguidas, mas um TD e algumas terceiras descidas deram sobrevida a campanhas que pareciam acabadas.

 Khalil Mack começou o jogo muito bem, com um sack. Apressou diversas vezes o passe de Geno Smith e até forçou com que ele corresse com a bola. Porém, falhou em tackles que poderia evitar conversões chave para os Giants.

Marco Tulio Bayma

Carolina Panthers 21 vs. 31 New Orleans Saints

 Alvin Kamara mais uma vez foi o destaque da partida e caminha a passos largos para o prêmio de calouro do ano. A dinâmica que o atleta proporciona ao ataque confunde a defesa adversária e coloca Drew Brees em situações favoráveis. Ele é um atleta que quebra muitos tackles, e consequentemente consegue jogadas explosivas.

 A defesa dos Saints, apesar de ceder muitos pontos, fez um bom jogo. Limitou o jogo terrestre e forçou Cam Newton a lançar bolas. Mesmo sem Marshon Latimore, os CBs praticamente anularam Funchess, que apareceu no fim do quarto período.

O terceiro quarto foi decisivo. O ataque dos Panthers produziram muito pouco e deixaram o adversário disparar e praticamente matar a partida. Jonathan Stewart saiu machucado e prejudicou a dinâmica do jogo terrestre, que fazia um jogo decente. Com McCaffrey mais em campo, situações de passes ficaram mais óbvias e a marcação mais fácil.

Cam Newton atuou como manda o protocolo. Foi consciente com a bola na mão, mas quase foi interceptado por dois descuidos. A conexão com Devin Funchess foi limitada pelo adversário, então precisou criar outros matchups.

A setor defensivo dos Panthers atuou bem, mas não foi páreo para o ataque adversário. Mesmo pressionando Drew Brees no pocket, a dupla de RBs Ingram/Kamara da muito conforto ao QB e atrapalha as leituras defensivas. A secundária precisa de mais atenção em alguns lances para não ceder jogadas mais profundas e dar ritmo ao adversário.

 O quarterback reserva dos Saints, Taysom Hill se destacou em momentos com os specials teams. Não é normal que atletas dessa posição joguem no time de especialistas, mas Hill fez dois tackles importantes e chamou a atenção por isso.

Marco Tulio Bayma

Comments

comments