OPINIÃO: Ranking dos 32 Quarterbacks titulares na NFL em 2018

Pelo segundo ano consecutivo aproveitei a offseason para estudar os quarterbacks titulares na NFL. É a posição mais importante do esporte e a atenção que recebe é proporcional a isso. Depois de debater com o Frederico Maritan no Podcast FA Hoje sobre quem são os cinco melhores QBs da Liga atualmente, publico agora o ranking dos 32 titulares.

Em 2017, quando publiquei esse ranking, foi provavelmente a maior repercussão que recebi por um artigo opinativo que escrevi no FA Hoje. É um exercício impossível, porque todo mundo tem suas próprias opiniões sobre QBs e sendo assim vão discordar da classificação que coloquei. É natural, não tenho a pretensão de ser o dono da verdade. Se você deixar um comentário aqui ou me mandar um reply no Twitter do site (@FAHoje) ou no meu pessoal (@gmoreiramartins), de forma educada, não terei problema nenhum em debater contigo.

Ressalvas importantes:

  • Levei em consideração o momento atual dos jogadores. O critério básico desse exercício foi “Quem eu preferiria ter em 2018?”.
  • Existem algumas batalhas por titularidade ainda rolando, então levei em consideração quem é o favorito para colocar nesse ranking.

 

Elo Fraco / Peso Morto de seus times

32 – Blake Bortles (Ano passado: 31º)

O Jacksonville Jaguars se colocou em uma situação complicada ao exercer a renovação automática de 5º ano do contrato de rookie de Blake Bortles, que impediu a equipe de ir atrás de Kirk Cousins. Bortles até tem alguns momentos que consegue completar passes com consistência e usar sua mobilidade. O problema é que nos momentos ruins, bem frequentes, ele parece um jogador atuando de forma improvisada como QB, com péssima mecânica e errando alvos fáceis.

31 – AJ McCarron (Ano passado: n/a)

AJ McCarron é um falso novo (vai completar 28 anos em setembro) e ter que jogar em Buffalo representa um grande risco para a sua carreira. O fato dele ter ficado algum tempo disponível no mercado até assinar um contrato de valor bem modesto até mesmo para um reserva diz o que o resto da Liga pensa dele. McCarron até teve alguns momentos interessantes quando substituiu o lesionado Andy Dalton em 2015, mas são dois fatos preocupantes: ele não recebeu mais nenhuma oportunidade nos dois anos seguintes e nenhuma equipe, com exceção de Cleveland, ter feito esforço para tirá-lo de Cincinnati.

30 – Ryan Tanehill (Ano passado: 23º) 

Ryan Tannehill não tinha muitas características para te deixar animado, uma das (poucas) era sua mobilidade. Será que ainda vai existir perto de completar 30 anos e vindo duas lesões no joelho? Não acredito. Tannehill é limitado e voltará a um time que não terá mais Jay Ajayi e Jarvis Landry. Adam Gase vai colocar em prática um plano de jogo com passes simples e isso o ex-Texas A&M pode conseguir desempenhar, ótimo se o seu objetivo for vencer seis jogos.

Segundanistas com pouquíssima experiência, quase rookies

29 – Patrick Mahomes (Ano passado: n/a)

Se pudesse escolher entre os dois quarterbacks dessa categoria para ter no meu time daqui para frente, Patrick Mahomes seria o nome. O QB dos Chiefs aparece atrás de Mitch Trubisky porque bem ou mal o segundoanista do Chicago Bears teve a experiência de jogar futebol americano profissional por 12 partidas, então parte alguns degraus na frente. Mahomes é um projeto e estou muito curioso para vê-lo em campo em 2018.

28 – Mitch Trubisky (Ano passado: n/a)

Se o Chicago Bears vê em Matt Nagy um possível Sean McVay 2.0, Mitch Trubisky é o novo Jared Goff. Ele até vem de um ano de rookie melhor que o de Goff, o que não é nenhum feito relevante já que o QB dos Rams foi abismal como novato. Não dá para tirar muitas lições de 2017, é tudo novo em 2018 para Trubisky.

 

Dependem do time ao redor para serem efetivos

27 – Josh McCown (Ano passado: 30º)

Josh McCown completou 39 anos na semana passada e vem da melhor temporada da carreira, sendo um dos principais responsáveis pelo ano digo do New York Jets, que antes era projetado como 0-16. O problema é que o corpo de McCown não aguenta uma temporada completa. Sempre quando surgiu uma oportunidade de ser titular, o veterano acabou saindo do time eventualmente por causa de lesão. Vou colocar da seguinte forma: se o ranking fosse qual QB gostaria de ter por um jogo apenas, o jogador do Jets subiria posições. 16 partidas, no entanto, ele não suporta.

26 – Eli Manning (Ano passado: 19º) 

Só três quarterbacks ativos possuem múltiplos títulos de Super Bowl, Eli Manning é um deles. Um dia ele seguirá os passos do seu irmão e entrará no Hall da Fama, seu número será imortalizado no estádio do New York Giants e será dono de várias marcas estatísticas importantes. O problema é o seguinte: Eli não é mais um bom quarterback. Eu sei que o time teve problemas nos últimos dois anos, mas o camisa 10 não é vítima e sim um dos culpados. Você sabia que ele foi o 5º QB menos pressionado em 2017? Manning não tem mais força no braço e não consegue completar consistentemente passes de mais de 20 jardas, o que limita ainda mais um já limitado ataque.

25 – Tyrod Taylor (Ano passado: 25º) 

Olha, assim como a maioria de vocês também acho que Tyrod Taylor foi tratado de forma muito injusta em Buffalo, mesmo sendo inquestionavelmente a melhor opção do time na posição de quarterback durante sua passagem por lá. Dito isso, Taylor é um titular abaixo da média que tem muita dificuldade para trabalhar o meio do campo e sua durabilidade deixa à desejar.

24 – Sam Bradford (Ano passado: 17º) 

Sam Bradford é mais talentoso que os nomes ao seu redor nessa lista, mas simplesmente não consegue ficar saudável. O seu 2016 foi fantástico e em 2017 prometia repetir o desempenho, com uma grande atuação na estreia, mas novamente seus joelhos o sabotaram.

23 – Case Keenum (Ano passado: n/a)

Com um ótimo ataque ao seu redor, um excelente coordenador ofensivo e uma grande defesa, Case Keenum conseguiu ter o melhor ano da carreira. Keenum não vai encontrar tudo isso em Denver nessa próxima temporada, o que torna improvável que ele consiga repetir o desempenho.

22 – Andy Dalton (Ano passado: 18º) 

Andy Dalton é um quarterback neutro. Ele não impacta de forma positiva ou negativa o ataque ao seu redor. Na média, Dalton consegue ter a performance corresponde ao talento do seu lado em Cincinnati, que nos últimos anos não tem sido bom. Não é suficiente para te deixar animado, mas te garanto que se um dia os Bengals decidirem se desfazer do ‘Red Riffle’, não faltarão interessados.

21 – Joe Flacco (Ano passado: 16º)

Joe Flacco é elite? O quarterback do Baltimore Ravens vive o momento de maior pressão em sua carreira, com a equipe dando um sinal claro de que está pronta para seguir em frente sem ele caso o seu desempenho não melhore. O trunfo de Flacco sempre foi pegar fogo nos playoffs, mas as suas atuações ruins na temporada regular estão impedindo os Ravens de chegarem na pós-temporada.

20 – Dak Prescott (Ano passado: 15º)

Ao contrário de muita gente, ainda acredito em Dak Prescott. Não é incomum novatos que brilham logo de cara tenham um segundo ano complicado e o Dallas Cowboys certamente não fez muitos favores ao jovem quarterback em 2017. Prescott já mostrou muito potencial e não há motivo para acreditarmos que ele não possa se tornar um excelente franchise quarterback.

19 – Jameis Winston (Ano passado: 11º)

Winston é provavelmente o meu maior erro da lista do ano passado. Botei muitas fichas no seu desenvolvimento de uma temporada para outra e acabei me ferrando. Talvez tenha virado muito para o lado oposto agora, mas veremos quando ele enfim voltar da suspensão na semana 4. O ex-Florida State é um dos jogadores mais pressionados em toda a NFL. Entrando no ano 4 ele precisa evoluir mais rápido do que vem acontecendo até agora, mas precisamos lembrar que Jameis ainda tem 24 anos e muito tempo pela frente.

18 – Jared Goff (Ano passado: 32º) 

Após o término de 2016 sempre fui muito cuidadoso ao analisar Jared Goff. O seu ano de rookie foi completamente desperdiçado com um baixíssimo nível de talento tanto em campo quanto nas laterais com Jeff Fisher. Com Sean McVay e reforços importantes, o cenário foi o inverso. Entrando na sua terceira temporada, Goff ainda não é tão bom quanto os seus números de 2017 sugerem, mas foi um passo importantíssimo para se tornar um franchise quarterback. Decisões rápidas e release rápido foram seus principais atributos, mas sob pressão o índice de passes acertados cai de 7º para 26º. Normal para um QB tão jovem, mas mostra como ainda precisa trabalhar.

17 – Alex Smith (Ano passado: 22º)

Alex Smith limita o teto do seu time, mas também vai cometer poucos erros. Aos 34 anos ele vem do melhor ano de sua carreira, arriscando mais passes longos e comandando com maestria um ataque muito bem arrumado ao seu redor.

16 – Marcus Mariota (Ano passado: 13º) 

A experiência Marcus Mariota está se tornando extremamente frustrante. O quarterback dos Titans tem flashes impressionantes, mas passa por períodos longos de atuações burocráticas e sem inspiração, o oposto do que vimos dele em Oregon. Você acredita que ele só passou de 300 jardas aéreas duas vezes na temporada passada inteira? Tudo bem que a situação ao seu redor não era das melhores, mas Mariota as desculpas estão se esgotando.

 

QBs titulares acima da média

15 – Deshaun Watson (Ano passado: n/a)

Se estiver superestimando os seis jogos de Deshaun Watson como titular e sua capacidade de ser o mesmo após romper o ligamento cruzado anterior, estou pronto para pagar o preço. Watson é um dos jogadores que mais me deixou empolgado desde que acompanho a NFL e a cara dos Texans com ele em campo muda tão drasticamente quanto Jimmy G com o 49ers. Já vi e revi os jogos dele em 2017 e sinto que estamos diante de um quarterback muito especial.

14 – Andrew Luck (Ano passado: 4º)

Olha, pensei seriamente em fazer um ranking com os 31 quarterbacks e deixar Andrew Luck separado. Não dá para fazer nenhuma previsão de qual quarterback ele será após tanto tempo parado. Como não gosto desses atalhos, voltei à raiz desse exercício: Qual jogador gostaria de ter em 2018? Sendo assim, apostar que Luck possa voltar a ser o mesmo pré-lesão é o que faria antes de escolher os nomes que vem atrás dele nesse ranking.

13 – Derek Carr (Ano passado: 8º)

Derek Carr sofreu uma fratura em um osso das costas, é uma desculpa justa para a sua temporada ruim. O desempenho dele em campo foi decepcionante após um 2016 muito bom (apesar de particularmente achar que foi um pouco superestimado). Carr ainda não mostrou em quatro anos na liga a capacidade de elevar seus companheiros ao seu redor, o que não tem problema se não acontecer já que são pouquíssimos que conseguem.

12 – Kirk Cousins (Ano passado: 20º)

Kirk Cousins foi particularmente difícil de classificar nesse ranking, ele é um nome mais seguro que a maioria dos outros quarterbacks ao seu redor, mas tem um teto consideravelmente menor. Não vejo nenhuma garantia de sucesso para ele em Minnesota, mas a franquia está colocando-o na melhor situação possível e Cousins vem sendo consideravelmente subestimado. Os números no ano passado não foram espetaculares, mas me impressionou muito a forma como ele navegou todos os problemas no time ao seu redor.

11 – Cam Newton (Ano passado: 12º)

Não sou o único que tem muita dificuldade para avaliar Cam Newton, a verdade é porque provavelmente nunca existiu outro quarterback como ele na história da Liga. Newton tem sequências inacreditáveis, conectando passes longos com facilidade e fazendo a defesa pagar com suas pernas, mas também passa por outras em que é um dos QBs menos precisos em toda a NFL. Seu upside é um das melhores temporadas de MVP de todos os tempos como em 2015, apesar de ser muito improvável que alcance esse desempenho novamente.

10 – Jimmy Garoppolo (Ano passado: n/a) 

Consistência é importante, claro, mas se eu for esperar ficar óbvio para fazer uma análise não estou fazendo direito o meu trabalho como comentarista de NFL. É um risco, sem dúvidas, mas o que vi de Jimmy Garoppolo em 2017 foi especial. As defesas estarão mais preparadas para ele em 2018, mas temos que lembrar que Garoppolo chegou no meio da temporada a um time novo, que contava com um head coach estreante e sem muito talento ao seu redor. Agora será uma offseason inteira com Kyle Shanahan e um ataque reforçado. Nº10 nesse ranking pode ser muito baixo quando revisitarmos a lista em 2019.

9 – Matt Ryan (Ano passado: 7º)

Quando um jogador, seja qual for a posição ou até mesmo o esporte, dá um salto gigantesco de produção de um ano para o outro, é natural ocorrer uma correção logo em seguida. O que quero dizer com isso é que não acho que Matt Ryan seja tão bom como foi no seu ano fantástico de 2016, mas nem de longe é ruim como muita gente tenta pintar. Ryan é um excelente QB, qualquer passador sentiria a falta e precisaria de um tempo para se adaptar à perda de um coordenador ofensivo tão talentoso quanto Kyle Shanahan.

8 – Philip Rivers (Ano passado: 10º) 

Philip Rivers passou a carreira toda na sombra dos dois colegas de classe, Eli Manning e Ben Roethlisberger, que tiveram muito mais sucesso coletivo. O quarterback vem de mais um ano com excelentes momentos, algumas oscilações e derrotas doloridas no final dos jogos. E a má sorte já começou em 2018, com a lesão de Hunter Henry, só que ainda assim confio que Rivers possa ser um dos melhores QBs da AFC.

7 – Matthew Stafford (Ano passado: 9º)

Matthew Stafford demorou (muito), mas alcançou um nível de entendimento do ataque e consistência que enfim condizem com os seus incríveis atributos físicos. Se o Detroit Lions conseguir colocar um jogo terrestre pelo menos mediano ao seu lado, o que não aconteceu na última década, Stafford carregar os Lions aos playoffs em uma divisão brutal.

 

QBs com chances reais de serem MVP

6 – Russell Wilson (Ano passado: 5º)

De longe Russell Wilson é o que tem o pior ataque ao seu redor desses seis primeiros, isso é um fator a ser considerado. Dito isso, Wilson claramente caiu em alguns hábitos ruins, como o de tentar se movimentar mais do que deveria ao invés de se livrar da bola rapidamente e, assim, dar de cara com defensores. É impressionante que isso não tenha acontecido antes, mas o camisa 3 precisa limpar esses problemas no seu jogo, o que deve acontecer se o Seahawks enfim montar um time melhor para apoiá-lo.

5 – Ben Roethlisberger (Ano passado: 6º)

Ben Roethlisberger estranhamente parece um quarterback subestimado, mesmo tendo duas conquistas de Super Bowl por uma das franquias mais tradicionais da NFL. Big Ben está em declínio físico, o que afeta a sua mobilidade e não muito o braço, mas mais do que compensa com uma evolução gigantesca na parte mental do seu jogo. Roethlisberger hoje é um QB superior à sua versão de dez anos atrás.

4 – Drew Brees (Ano passado: 3º)

Depois de seis anos seguidos tentando uma média de 653 passes por temporada, o New Orleans Saints enfim colocou um ótimo time ao redor de Drew Brees e com isso ele pode arriscar apenas 536 em 2017 e o resultado foi visível em dezembro e janeiro: um Brees mais descansado e menos propenso a erros. Os números não serão estonteantes daqui para frente, mas não há ainda qualquer sinal de declínio em um dos melhores QBs da história.

3 – Carson Wentz (Ano passado: 21º)

Não seria o meu voto, mas acredito que Carson Wentz teria vencido o MVP no ano passado se não se lesionasse. É de se esperar alguma ferrugem após a cirurgia no joelho, mas eventualmente Wentz reencontrará o seu melhor nível e tem potencial para ficar na discussão como um dos jogadores mais valiosos da Liga por pelo menos uma década.

 

Elite da Elite

1 – Tom Brady (Ano passado: 2º) 

2 – Aaron Rodgers (Ano passado: 1º)

Esses dois quarterbacks estão sozinhos no topo, em um patamar diferenciado em relação ao resto da lista. Dos últimos oito MVPs, Tom Brady e Aaron Rodgers venceram quatro, sendo favoritos ao prêmio todo ano. Sozinhos eles fazem seus times candidatíssimos ao Super Bowl anualmente pelos seus talentos transcendentais. Quando está no seu melhor, Rodgers joga a posição de QB em um nível maior que qualquer um na história, só nem sempre ele se apresenta dessa forma, seja por lesões ou problemas no elenco ao seu redor. Brady é o retrato da consistência e não tem essa mesma oscilação do camisa 12 do Green Bay Packers, por isso o escolhi como o melhor da NFL atualmente.

Comments

comments