Abrindo o Playbook: Mock Draft da NBA

Tá chegando o Draft!

Eu sei que o da NFL já passou, estou falando da NBA. Assim como o do futebol americano, o do basquete é divertidíssimo com algumas particularidades:

– Um jogador sozinho tem um impacto muito maior (com exceção talvez dos quarterbacks) que um indivíduo na NFl, com um porém;

– Rookies na NBA não tem o mesmo impacto do que na NFL. Caras como Donovan Mitchell e Jason Tatum (rookies de verdade, Ben Simmons) são raríssimos.

– São apenas duas rodadas.

Os Mock Drafts do FA Hoje foram feitos pelo talentosíssimo José Paulo Mendes, já disse aqui que não acompanho futebol americano universitário para ter uma boa visão dos prospectos. Basquete Universitário, no entanto, esse ano assisti com bastante atenção e não só o March Madness e sim a temporada inteira. De novo, não sou olheiro, mas conheço o suficiente dos principais prospectos para fazer o meu Mock da loteria (as 14 primeiras escolhas são sorteadas entre as 14 piores campanha, com a pior tendo mais chances de ganhar a nº1 e assim sucessivamente).

Esse ano o Draft está particularmente interessante porque ninguém sabe o que vai acontecer. No ano passado basicamente já sabíamos que Fultz, Ball e Tatum seriam os três primeiros, em 2018 a única certeza é que DeAndre Ayton será a escolha dos Suns. Muitos times também estão interessados em subir, então prepare-se que essa quinta-feira vai ser agitada. Vamos ao meu Mock:

1 – Phoenix Suns: C DeAndre Ayton, Arizona

Não seria a minha escolha, mas todo mundo sabe que DeAndre Ayton será a 1ª escolha geral. 2,16m, 118kg, Ayton já chega na NBA com o corpo de um pivô profissional e com um jogo ofensivo muito desenvolvido, seja no post ou arremessando de três. A preocupação é a defesa, será que vai conseguir se desenvolver também nesse lado da bola?

2 – Sacramento Kings: G Luka Doncic, Real Madrid

Novo James Harden? Luka Doncic parece ser um grande passador, cheio de truques para chegar na cesta e com um arremesso de três promissor. Nas últimas semanas, no entanto, o seu atleticismo vem sendo muito questionado (o jogo que assisti ele parecia um pouco pesado).

3 – Atlanta Hawks: C/F Jaren Jackson, Michigan State

O primeiro jogo de ponta a ponta que vi de Jaren Jackson foi a derrota para Syracuse no torneio da NCAA, então é seguro dizer que não me deixou um bom gosto. Ainda assim Jackson é o queridinho dos especialistas em Draft na imprensa americana, que o apontam como o Al Horford 2.0, capaz de marcar no perímetro, proteger a cesta e arremessar de três.

4 – Memphis Grizzlies: F Michael Porter Jr., Missouri

Acho que algum time vai draftar Michael Porter Jr. mais cedo do que deveria, e não é nada criativo dizer que o Sacramento Kings fará isso, então meu palpite é o Memphis Grizzlies. Mais que outros times no topo, os Grizzlies vão pensar em encaixe com suas duas estrelas, Marc Gasol e Mike Conley, tentando voltar a competir imediatamente e Porter na teoria cairia melhor na equipe. O ex-Tiger pode até acabar sendo um grande jogador, mas aos 19 anos ele já tem problemas nas costas que o tiraram da última temporada quase toda do Basquete Universitário. O risco é muito grande.

5 – Dallas Mavericks: F/C Marvin Bagley III, Duke

Minha opinião sobre Marvin Bagley mudou muito ao longos dos meses desde novembro. Primeiro achava que ele seria o novo Anthony Davis, mas depois de ler tantos especialistas apontando as suas falhas fiquei com os dois pés atrás. Bagley ganhou fôlego novamente nas últimas semanas, afinal é difícil ignorar o quão dominante ele foi em Duke. O potencial é gigantesco, para o bem ou para o mal.

6 – Orlando Magic: C Mohamed Bamba, Texas

Alguns vídeos acertando várias cestas de três pontos em seguida ajudaram bastante o seu stock. Seus 2,13m e inacreditáveis 2,39m de envergadura intrigam bastante, seu potencial defensivo é gigantesco. Será que Bamba pode ser um Rudy Gobert que arremessa de três? Se sim, ótimo, mas vamos lembrar que Gobert, provavelmente o melhor pivô defensivamente na NBA, teve pouco impacto nos playoffs.

7 – Chicago Bulls: F Mikal Bridges, Villanova

Mikal Bridges tem o perfil mais desejado pelos times da NBA, o Wing que defende bem e arremessa de três. Ele evoluiu muito durante sua passagem por Villanova, pode ter potencial para mais que isso mas seu piso é um role player muito útil.

8 – Cleveland Cavaliers (via Nets): C Wendell Carter Jr., Duke

Essa escolha é cheia de nuances, será que o Cleveland Cavaliers tentará escolher alguém que ajude na missão de manter LeBron James ou pensando no futuro sem o seu astro? Wendell Carter é o melhor nome disponível a essa altura e meio que se encaixa nos dois cenários.

9 – New York Knicks: G Trae Young, Oklahoma

Trae Young é o jogador com maior amplitude de resultados possíveis nesse Draft. No guia do site ‘The Ringer’ a definição é bem precisa: ele pode ser o próximo Stephen Curry ou Seth Curry. Young vai precisar ser tão bom ofensivamente que valha a pena lidar com as suas limitações defensivas. E os Knicks tem Frank Ntilikina, que já é um dos melhores defensores na posição de Guard, para equilibrar.

10 Philadelphia 76ers (via Lakers): F Kevin Knox, Kentucky

O ponto fraco do quinteto titular dos Sixers nos playoffs foi sem dúvida Robert Convington e nesse cenário eles conseguiriam o substituto perfeito. Knox ainda é cru, mas tem potencial para fazer um trio formidável junto com Simmons e Embiid no futuro. É possível vê-lo se tornando um excelente two way player.

11 Charlotte Hornets: G Colin Sexton, Alabama

Você sabe quem Colin Sexton é, lembra do jogo de basquete universitário que um time quase ganhou mesmo tendo só três jogadores em quadra? Sexton era um dos três. Um PG muito agressivo e contagia a equipe com sua energia. Além disso, Kemba Walker definitivamente não será trocado antes do fim da janela.

12 Los Angeles Clippers (via Pistons): G Shai Gilgeous-Alexander, Kentucky

Com duas escolhas, os Clippers poderão correr um pouco mais de risco. Shai Gilgeous-Alexander é um Guard enorme e entrará na NBA já como um defensor muito bom, podendo evoluir ainda mais. Como muitos desses prospectos, o seu jump shot é uma interrogação.

13 Los Angeles Clippers: F Miles Bridge, Michigan State

Não é uma escolha sexy, mas Miles Bridge é um bom defensor e arremessa bem do perímetro. Bridge pode eventualmente ser mais que isso, mas o seu perfil é muito desejado pelas equipes.

14 Denver Nuggets: G/F Zhaire Smith, Texas Tech

Wing super atlético, muito ativo e versátil na defesa. Smith tem tudo para aproveitar muito bem os excelentes passes de Nikola Jokic.

 

Documentário: Andre The Giant (2018)

Não sou fã de Wrestling, sem preconceitos mas não consigo ultrapassar a barreira mental de que são dois adultos fingindo que estão lutando e pessoas comemoram como se fosse de verdade. Mesmo que você também não curta o “””””esporte”””””, esse documentário é imperdível. Produzido por Bill Simmons, criador da série 30 for 30, o filme conta a vida de Andre The Giant, uma das maiores estrelas da história do WWE.

O que faz esse documentário ser excepcional não é o que aconteceu dentro do ringue. A vida dele, com a doença que o fez medir 2,24m e pesar 235kg, foi fascinante. Era um homem ciente de que não viveria por muito tempo. Não vou entrar em detalhes para não estragar, mas assista que não se arrependerá. Eu o fiz porque sou um grande fã de Bill Simmons e adorei, mesmo sem gostar de Wrestling (nosso antigo Telecatch).

 

 

Comments

comments